AMP Stories inova o jornalismo com formato interativo e dinâmico

November 27, 2019 0 By Rafael Dallanese

Em 2013, o Snapchat revolucionou as redes sociais. Isso porque o aplicativo permitia – e ainda permite – a criação de mensagens instantâneas, mesclando fotos, vídeos e textos. A prática fez sucesso, foi incorporada a outras redes. Logo, Instagram, Facebook e Whatsapp não ficaram para trás. Ela também chamou a atenção do Google. O site criou uma ferramenta chamada AMP Stories. E o que isso tem a ver como jornalismo? Tudo!

O AMP Stories foi pensado como uma plataforma de conteúdo com carregamento rápido e de baixo consumo de dados em celulares. A sigla significa Accelerated Mobile Pages (páginas aceleradas para dispositivos móveis, em português). Rapidamente, ela ganhou o jornalismo e, hoje, é usada por sites norte-americanos como CNN, Mashable, Washington Post e Wired.

No Brasil, a primeira mídia a utilizar o formato foi o UOL . O site fez uma série de reportagens em sete capítulos sobre as histórias da Copa do Mundo. O primeiro, “Copas, Intrigas e Tretas”, publicado em março de 2018, lembrava as brigas e discussões envolvendo o campeonato mundial.

Segundo Julia Muller, social media do Uol, no AMP Stories é criada uma narrativa em que imagem e texto se completam.  “É importante usar uma linguagem simples, resumida, sem trechos muito longos, distribuindo aspas e informações para cada tela”. 

Quer conhecer o AMP Stories? Acesso o nosso Instagram e veja o destaque AMP Stories.

Por Luana Rodriguez, Lucas Martins, Rafael Dell’Anese, Fernanda Silva, Vinicius Rodrigues, Bruno Ongaratto.